DATA: 27/01/2016

Comunidade quilombola de Goiás vai vender alimentos para o Governo Federal

O objeto é ingressar como fornecedor de produtos para os programas de Alimentação Escolar e de Aquisição de Alimentos

 

A comunidade Nossa Senhora Aparecida, localizada no município de Cromínia (GO), distante cerca 80 km da capital Goiânia, será o primeiro grupo quilombola do Estado a vender alimentos para programas do Governo Federal.

 

O documento que permite tal comercialização, a Declaração de Aptidão (DAP) ao Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf), já foi expedido pela Superintendência Regional do Incra em Goiás.

 

O representante da comunidade Valdivino Alves da Silva foi quem recebeu as 27 DAPs entregues pelo superintendente substituto do Incra/GO, Alberto Filho. “Esse é o primeiro de muitos sonhos que ainda realizaremos. Agora que temos garantia de que o Poder Público poderá ser comprador da nossa produção, iniciaremos, ainda em janeiro, o plantio de arroz e continuaremos as outras culturas”, afirma o líder comunitário.

 

Valdivino Alves da Silva ressalta que o projeto maior é ingressar, já em 2017, como fornecedor de produtos para os programas de Alimentação Escolar (Pnae), voltado à produção de uma merenda escolar saudável, e de Aquisição de Alimentos (PAA) – modalidade compra direta da agricultura familiar com doação simultânea a grupos em situação de insegurança nutricional.

 

Os projetos técnicos da comunidade serão feitos pelo Serviço Brasileiros às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) em Goiás, que acompanhará todo o processo produtivo até a comercialização da safra. A assistência técnica de campo, diz Valdivino, será prestada por profissionais da Emater/GO.

 

Área de cultivo

Atualmente, os quilombolas cultivam 40 hectares, entre terras cedidas pelo estado, por particulares e também quintais das próprias residências. A diversidade produtiva inclui hortaliças, fruticultura, grãos (milho e arroz) e verduras variadas, além de farinha, polvilho e panificados.

 

Com assessoria do Sebrae/Goiás, montaram uma feira livre no centro de Cromínia para vendas diretas. “Muitos de nós vive somente da agricultura, da culinária e do artesanato quilombola”, conta Valdivino.

 

A antropóloga do Incra em Goiás, Cristiana Fernandes, explica que o pedido de regularização da comunidade Nossa Senhora Aparecida foi aberto no Instituto em 2011. No momento, a fase é a de elaboração do relatório antropológico da comunidade pela equipe de pesquisadores do Campus Catalão/Universidade Federal de Goiás (UFG), de acordo com parceria firmada pelo Termo de Cooperação Técnica Incra/UFG em agosto de 2013.

 


Comente essa notícia.

Faça seu cadastro ou login gratuito para enviar comentários.

Leia mais