vendas em balcão. fiscalização. conab. milho. produtor rural

Com expectativa de super safrinha, Brasil deve exportar mais milho em 2017

Aumento da demanda, para 62 milhões de toneladas em 2017, não deve ser suficiente para absorver o crescimento da produção de milho

Após passar por uma safra de milho prejudicada pelas condições climáticas e uma crise de abastecimento do cereal, o volume produzido na safra 2016/2017 deve ser recorde para o Brasil. A consultoria Agroconsult estima uma produção total de 94,9 milhões de toneladas de milho, alta de 32,3% na comparação com a temporada anterior.

 

Super safrinha

Na safra de verão, a expectativa é que a produção alcance 30,3 milhões de toneladas de milho, 6,8% superior à safra passada. Já para a safrinha, a consultoria prevê 64,6 milhões de toneladas, que se justifica por um possível aumento de 10% na área plantada. Caso os resultados se confirmem, a colheita da safrinha deve crescer 40,9% nesta safra.

 

Para o mercado interno, a safra recorde é uma boa notícia, principalmente para a cadeia produtora de proteína animal. No entanto, o cenário de maior oferta do cereal pode ser um mau negócio para os agricultores. Embora a demanda interna deva crescer, passando de 58 milhões de toneladas para 62 milhões de toneladas em 2017, esse aumento do consumo de milho não deve ser suficiente para absorver toda a produção nacional. O caminho para escoar esse milho é a exportação. Segundo André Pessôa, diretor da Agroconsult, o Brasil precisará exportar 30 milhões de toneladas. “É um grande desafio exportar todo esse milho no segundo semestre”, diz André Pessôa.

 

Venda antecipada de milho

Quando a safrinha começou a ser plantada no ano passado, o Brasil já tinha vendido 25 milhões de toneladas de milho. Neste ano, as vendas antecipadas estão entre 10 e 12 milhões de toneladas. “Esse é um desafio, estamos atrasados para atingir o objetivo de exportar entre 26 e 27 milhões de toneladas”, afirma Pessôa. Ele acredita que essa estimativa de exportação é o volume mínimo necessário para que o mercado brasileiro não tenha contratempos com o excesso de milho. “Se a gente olhar só para o mercado interno, isso é um problema e significa uma pressão baixista sobre os preços do milho.”

 

Segundo o diretor da Agroconsult, existem duas situações que podem ser positivas nesse cenário. Uma delas é a tendência de redução de área plantada de milho e aumento da área de soja nos outros países produtores. “Isso abriria espaço parar trabalhar com o milho no mercado internacional acima de US$ 3,50 por bushel, podendo chegar próximo dos US$ 4”, diz Pessôa.

 

Leia mais:

Percevejo da soja: 7 fatos para tratar a praga que prejudica as plantações

Piscicultura: tecnologia com bioflocos permite reúso de água por três anos

O sonho da pulverização de precisão se tornou realidade

Cientistas desenvolvem metodologia inédita para controlar a mosca branca

Vai faltar água nas lavouras brasileiras?

8 tecnologias para controlar a ferrugem asiática na safra de soja 2016/17

Adesivo detecta o cio das vacas e pode melhorar os índices reprodutivos

7 dicas para ter sucesso na plantação de tomate cereja

Lagarta-do-cartucho: 9 fatos para combater a pior praga do milho

Clima favorece o desenvolvimento da ferrugem asiática

 

Cadastre-se para receber notícias gratuitamente por e-mail: sfagro.com.br/cadastro

O que você gostaria de ler? Para pedir uma reportagem, clique aqui e envie uma mensagem para a redação da Successful Farming Brasil.

 

Deixe seu comentário

Leia mais