DATA: 14/01/2016

CNA pede revisão da Política Nacional de Irrigação

O presidente da entidade propôs um novo modelo que contemple principalmente os pequenos e os médios produtores rurais

O presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), João Martins, defendeu a revisão da Política Nacional de Irrigação, sancionada há dois anos pela presidente Dilma Rousseff para tentar alavancar a atividade irrigada no país.

 

O presidente da entidade propôs uma parceria com o Governo Federal e os Estados para discutir um novo modelo de irrigação que contemple principalmente os pequenos e os médios produtores rurais., durante encontro com o secretário nacional de Irrigação do Ministério da Integração Nacional, José Rodrigues Pinheiro Dória, no dia 13 de janeiro. “Precisamos estimular mais os estados a participar desta política e explorar mais o nosso potencial irrigável. Mas não adianta mostrar apenas o tipo de irrigação que devemos fazer em determinada região, se é por inundação ou por gotejamento”, afirmou. “Precisamos de financiamentos porque são projetos caros e os irrigantes são, na sua maioria, pequenos produtores.”

 

Segundo a CNA, o Brasil utiliza aproximadamente 20% da área de que dispõe para irrigação, o equivalente a seis milhões de hectares de um total de 30 milhões. Desta forma, uma das propostas é iniciar uma agenda técnica de trabalho para identificar os gargalos e potencialidades. João Martins também falou sobre a necessidade de promover assistência técnica aos produtores rurais para identificar e acompanhar a aplicação dos métodos mais adequados de irrigação. “Não podemos orientar o produtor a irrigar se a irrigação não for economicamente viável. Precisamos investir naquilo que dá retorno”, afirmou o presidente da CNA.

 

 

O representante do ministério apoiou a proposta da CNA e informou que o órgão busca uma parceria com o Banco Mundial para fomentar projetos de irrigação. “Em um primeiro momento, vamos ouvir o que o setor tem a dizer sobre a irrigação”, disse o secretário.


Comente essa notícia.

Faça seu cadastro ou login gratuito para enviar comentários.