DATA: 28/01/2016

CNA debate propostas para dívidas de produtores da região da Sudene

O Governo suspendeu, até 31 de dezembro, a inclusão de novos contratos inadimplentes de crédito rural na Dívida Ativa da União

A Comissão da Região Nordeste do Brasil, da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), presidida pelo presidente da Federação da Agricultura e Pecuário do Rio Grande do Norte, José Vieira, se reuniu, na terça-feira (26/01), na sede da CNA, em Brasília, com o objetivo principal de discutir melhorias para a Medida Provisória 707/2015.

 

Durante a reunião, o Governo Federal suspendeu, até 31 de dezembro deste ano, a inclusão de novos contratos inadimplentes de crédito rural na Dívida Ativa da União (DAU) e também o encaminhamento para cobrança judicial das dívidas rurais de operações contratadas por produtores com empreendimentos localizados na área de atuação da Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste (SUDENE), que compreende, além dos Estados nordestinos, Minas Gerais e Espírito Santo.

 

A MP 707 é resultado do trabalho liderado pelo presidente da CNA, João Martins, em parceria com as Federações de Agricultura e Pecuária do Nordeste e as Superintendências Técnica e de Relações Institucionais da entidade. Como a MP beneficiou uma parcela de produtores rurais, a CNA vai reforçar a importância das demais medidas já pleiteadas anteriormente, junto ao Governo Federal. Com isso, a entidade busca solução definitiva dos passivos rurais para fortalecer a economia do Nordeste.

 

Para o presidente da CNA, que participou da reunião por videoconferência, a Medida Provisória representa uma grande ferramenta na busca de soluções para os problemas de endividamento dos produtores com empreendimentos rurais na área de atuação da SUDENE. De acordo com João Martins, as propostas representam as melhores soluções para o problema do endividamento dos produtores da região, causado pelas frequentes secas. A Comissão pretende manter reuniões mensais.

 


Comente essa notícia.

Faça seu cadastro ou login gratuito para enviar comentários.