Clima gera prejuízo de até R$ 100 milhões para soja de Mato Grosso do Sul

Prejudicados pelo excesso de chuvas, 41 mil hectares de soja não serão colhidos no Estado

A colheita de soja está chegando ao fim e já é possível contabilizar prejuízos ao bolso do produtor rural causados pelo excesso de chuvas ao longo do ciclo 2015/16, informa a Aprosoja/MS (Associação dos Produtores de Soja de Mato Grosso do Sul). Segundo dados do Siga MS (Sistema de Informação Geográfica do Agronegócio), não haverá quebra significativa de safra, inclusive porque a produtividade se mantém a mesma do ciclo passado e o resultado estimado de produção se mantém em 7,5 milhões de toneladas de soja. “No entanto, as perdas diretas aos produtores podem ultrapassar R$ 100 milhões”, informou a Aprosoja/MS em comunicado.

 

Excesso de chuvas

De acordo com o analista de grãos do Sistema Famasul (Federação de Agricultura e Pecuária de MS), Leonardo Carlotto, 41 mil hectares de soja não serão colhidos no Estado. Isso se deve aos danos causados pelo excesso de chuvas, que geraram avarias no grão, mofos e, em alguns casos, até impediram o acesso de maquinários nas lavouras para colheita. Segundo a aprosoja, a produção geral no Estado foi positiva, mas alguns produtores registraram grandes perdas, com colheita bem abaixo da média. “Se considerarmos que o custo de produção de cada hectare ao agricultor é de R$ 2.452, já temos um prejuízo direto de R$ 100 milhões aos produtores do Estado, considerando os 41 mil hectares não colhidos”, diz Carlotto.

 

Números positivos

De acordo com o analista, esses números ainda não estão finalizados, mas indicam que a safra 2015/16 poderia ter sido ainda mais positiva para Mato Grosso do Sul caso as condições climáticas tivessem sido mais favoráveis. Carlotto também estima que o Estado poderia ter arrecadado ainda três vezes mais que o valor dessa perda. “Mato Grosso do Sul poderia ter movimentado cerca de R$ 300 milhões a mais em comercialização, tributação e movimentação da cadeia produtiva, caso os campos não tivessem apresentado a perda que está sendo estimada para este ciclo”, detalha. Esse montante que deixou de circular no Estado também está relacionado aos ganhos que seriam obtidos graças ao aumento real de área plantada.

 

Crescimento

Nesta safra houve aumento de área plantada, cujo crescimento foi de 8% no comparativo com o ciclo 2014/2015, com 2,5 milhões de hectares semeados cultivados com soja. Se as condições climáticas tivessem sido mais favoráveis, a produção em Mato Grosso do Sul poderia atingir 7,9 milhões de toneladas de soja. Mesmo sem a confirmação dessa expectativa, a projeção se mantém positiva e recorde para o Estado, chegando a 7,5 milhões de toneladas. Esse número é representa um adicional de meio milhão de toneladas, em comparação com as 7 milhões de toneladas colhidas na safra 2014/15.

 

 

 

Deixe seu comentário

Leia mais