Leite. Ordenha. Vaca leiteira. Mastite.
DATA: 05/02/2016

Clima está mais favorável para a produção de leite

O acumulado de chuvas está próximo à média normal e as temperaturas mais amenas no verão contribuem para a atividade

O produtor de leite tem encontrado condições de tempo bem melhores para a atividade nestes últimos meses. A observação é do pesquisador da Embrapa Gado de Leite, Samuel Oliveira. Ao monitorar os dados meteorológicos coletados no final de 2015 e em janeiro desse ano, verificam-se condições mais favoráveis à pecuária de leite quanto à temperatura e a precipitação.

 

De fevereiro de 2015 até os dias atuais, o acumulado de chuvas na bacia leiteira de Juiz de Fora (MG) já soma 1.500 milímetros, próximo à média normal. As temperaturas bem mais amenas do que as do verão passado também contribuem para uma melhor situação. Na região de Juiz de Fora, por exemplo, a temperatura média em janeiro foi três graus menor. Em Goiânia a queda da média foi de dois graus. “Tudo indica que não teremos no decorrer deste ano os problemas climáticos severos registrados nos dois últimos anos”, diz.

 

Outras importantes regiões produtoras de leite apontam para mesma situação, como Araxá, Poços de Caldas, Foz do Iguaçu, Chapecó e Passo Fundo, entre outras. Os dados levantados em 12 meses até agosto de 2015 em Juiz de Fora, por exemplo, mostraram um índice bem abaixo, 900 milímetros de chuva acumulada. “Este é o padrão do Norte de Minas Gerais e de algumas áreas do Nordeste Brasileiro, onde as chuvas são bem mais escassas”, conta.

 

Estabilização do regime de chuvas

O pesquisador destaca que nos últimos três meses verifica-se exatamente o contrário, estabilização do regime de chuvas. “No Sul continua chovendo acima da média, mas em quantidade mais próxima da normalidade”, diz. Com a regularização das precipitações no final em janeiro e fevereiro nas regiões Centro-Oeste e Sudeste houve redução do potencial de perda da produção leiteira por má formação de pastagens

 

De acordo com Oliveira, a irregularidade climática observada nos últimos dois anos, com temperaturas muito elevadas e incidência de chuvas bem abaixo do normal em bacias leiteiras como Minas Gerais e Goiás, pode não se repetir este ano. Algumas regiões registraram até cinco graus acima da média em outubro do ano passado. Em Goiânia, por exemplo, a temperatura média em  outubro de 2015 foi de 29,5 graus, “índice dos meses mais quentes nos municípios mais quentes do norte e nordeste do Brasil”, diz. Tal situação provocou sensível queda na produção de leite nessas regiões. “Não há um índice exato das perdas registradas no período. Para isso seria necessário consolidar os registros das fazendas, mas contatos com produtores apontam para reduções de até 20 a 30% na produção nos dias mais quentes”, conta.

 

Segundo o pesquisador a queda se deu muito mais em função do stress térmico do que problemas nas pastagens relativos à seca, pois hoje o uso da suplementação alimentar é cada vez mais crescente. “A pecuária de leite hoje não é mais tão dependente da pastagem, embora a influência seja ainda bem forte”, afirma. Por outro lado, o rebanho brasileiro tem representativo grau de sangue europeu em sua formação genética, sendo alguns rebanhos totalmente holandeses mesmo. Portanto, muito mais sensíveis às altas temperaturas.

 

El Niño e La Niña

Samuel Oliveira revela que os estudos dos órgãos ligados à previsão do tempo indicam perspectiva de temperaturas mais amenas e regime de chuvas mais próximo da normalidade no Sudeste e Centro Oeste já neste ano. Não será surpresa inverno com geadas do Sul brasileiro ao estado de Minas Gerais.

 

“A notícia de certa forma é benéfica para a produção de leite,  pois o problema de conforto técnico será menor, além de maior regularidade de chuvas” avalia. O produtor deve se atentar, no entanto, ao planejar as culturas para a safrinha de inverno, que podem ser danificadas com as baixas temperaturas, principalmente no Sul do Brasil. “Mas nada além do que normalmente acontece quando temos um inverno um pouco mais rigoroso”, diz.

 

O pesquisador reforça que nos últimos anos o clima do mundo esteve sob influência do El Niño, fenômeno caracterizado pelo aquecimento anormal as águas do Oceano Pacífico na região do Equador. Como o Pacífico representa a maior massa oceânica do planeta, exerce influência no clima de todas as regiões do mundo, provocando altas temperaturas e menor regime de chuvas para algumas localidades e maior para outras. “Trata-se de um fenômeno cíclico e não há como prever quando voltará. No ano de 1997 foi registradas situações semelhantes às de 2015 sob influência do El Niño”, conta.

 

Oliveira também revela que há a possibilidade de se iniciar um período de influência do La Niña a partir do segundo semestre deste ano. Este é o fenômeno exatamente oposto ao El Niño, e é caracterizado pelo resfriamento anormal das águas do Pacífico na região equatorial “Historicamente observa-se que El Niño muito forte, como o atual, é sucedido pelo fenômeno La Niña”, conclui.

 


Comente essa notícia.

Faça seu cadastro ou login gratuito para enviar comentários.

Leia mais