Suíno

Carne suína: receita das exportações cresceu 28,9% em 2017

Maior importador da proteína brasileira, a Rússia foi destino de 111,1 mil toneladas entre janeiro e maio

Os recentes levantamentos feitos pela Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) indicam elevação de 28,9% na receita de exportações de carne suína (considerando todos os produtos, entre in natura, embutidos e outros processados) nos cinco primeiros meses de 2017, em relação ao ano anterior.  Ao todo, os resultados chegaram a com US$ 658,7 milhões neste ano – frente a US$ 510,9 milhões em 2016.

 

Considerando apenas o mês de maio, a receita dos embarques totalizou US$ 123,7 milhões, número 1,3% inferior ao obtido no quinto mês de 2016, de US$ 125,3 milhões. Em volumes embarcados, os exportadores de carne suína acumulam retração de 4,4% entre janeiro e maio.  No total, foram exportadas 279,1 mil toneladas – contra 291,9 mil toneladas em 2016.

 

Exportações de maio

Um dos motivos para o resultado foi a diminuição das exportações em maio, que totalizou 48,8 mil toneladas, volume 24,9% inferior ao registrado no mesmo período de 2016 (65 mil toneladas).

 

Maior importador de carne suína do Brasil (com 40,3% do total), a Rússia foi destino de 111,1 mil toneladas entre janeiro e maio deste ano, volume 10% superior ao obtido no mesmo período do ano passado.

 

“Principal parceira comercial do Brasil no setor de suínos, a Rússia tem incrementado suas compras nos últimos anos, confiando ao setor brasileiro uma importante parcela do fornecimento destes produtos ao seu mercado. Hoje, os exportadores brasileiros são responsáveis pela maioria absoluta das importações russas de carne suína”, diz Francisco Turra, presidente-executivo da ABPA.

 

Em segundo lugar, Hong Kong importou 58,2 mil toneladas no mesmo período (21,1% do total), volume 22% inferior ao realizado nos cinco primeiros meses de 2016.   Para a China (3° maior importador) foram embarcadas 22,3 mil toneladas (8,1% do total), volume também 22% menor em relação ao ano anterior.

 

Carne suína para a Argentina

Consolidada na quarta posição, para a Argentina foram embarcadas 14,8 mil toneladas (5,4% do total), volume 80% superior na comparação com o ano passado. “Com crescimento expressivo desde meados de 2016, as exportações para a Argentina agora assumiram um papel estratégico nas vendas internacionais brasileiras, passando a liderar as vendas do setor de suínos na América do Sul”, diz Ricardo Santin, vice-presidente de mercados da ABPA.

 

Santa Catarina, maior estado exportador de carne suína do Brasil, embarcou entre janeiro e maio o total de 113,3 mil toneladas, volume 8% maior em relação ao mesmo período do ano passado.  Em segundo lugar, o Rio Grande do Sul foi responsável pelos embarques de 78,8 mil toneladas no período (-10%).  Paraná, com 37,9 mil toneladas (+4%), Mato Grosso, com 17,2 mil toneladas (-13%) e Goiás, com 14,7 mil toneladas (-39%) completam a lista dos cinco maiores estados exportadores.

 

Deixe seu comentário