Cananéia, uma das referências do sistema brasileiro de defesa agropecuária

Estação serve para isolamento, treinamento, capacitação e pesquisa

A estratégia brasileira de defesa agropecuária tem várias frentes para evitar a entrada de pragas e doenças no território nacional. Uma delas é o isolamento de animais importados para submetê-los a exames laboratoriais, com objetivo de atestar sua sanidade. Esse trabalho é feito pela Estação Quarentenária de Cananéia (EQC), do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

Atualmente, a EQC aloja suínos e aves ornamentais, em regime de quarentena de importação, e equinos para um projeto de pesquisa. De 2009 a 2012, a estação recebeu bovinos para quarentena de embriões importados da Índia. Nas décadas de 1970 a 1990, bovinos, avestruzes e até Lhamas e Alpacas estiveram lá, mas com a finalidade de quarentena de exportação.

A estação é referência nacional em quarentena animal e já sediou diversos eventos internacionais, como o 1º Encontro Internacional de Especialistas em Quarentena Animal e o Workshop Resposta Emergencial a Doenças Avículas na América do Sul, em 2011. Além disso, ela pretende ser reconhecida como um centro colaborador da Organização Mundial de Saúde Animal (OIE).

A unidade do Mapa fica em uma área de 1.510 hectares na Ilha de Cananéia, no litoral sul do estado de São Paulo, distante cerca de 264 quilômetros da capital paulista. A estação tem capacidade para abrigar até de 900 aves ornamentais e 3 mil suínos por ano. Nos últimos anos, não foram detectadas doenças que que pudessem trazer risco sanitário significativo ao país. Além do confinamento de animais importados sob suspeita, a estação também abriga um centro de treinamento, capacitação e pesquisas.

“A estação tem como uma de suas finalidades, observando as medidas de biossegurança, alojar animais sob condições de isolamento oficialmente controlado”, diz o diretor do Departamento de Saúde Animal, Guilherme Marques. “Ela também realiza exames clínicos dos animais e colhe amostras para o envio a laboratórios de diagnóstico, além de apoiar as ações de defesa sanitária animal, visando garantir a qualidade e a sanidade dos animais importados.”

Suínos

Um dos serviços prestados pela estação é a quarentena oficial de suínos importados de diferentes países. Esses animais, destinados à reprodução, passam por testes clínicos e coleta de materiais para exames laboratoriais que atestem a sua saúde. Desde a inauguração das novas instalações, cerca de 950 suínos importados passaram por lá. A previsão é que Cananéia receba mais 120 suínos para alojamento neste sábado (17).

As instalações de suínos têm quatro galpões, projetados para alojar os animais em condições de biossegurança e bem-estar animal. Um deles dispõe de 22 baias coletivas, e três contam com 56 gaiolas individuais cada. Todos os galpões têm sistema de ventilação e aspersão de água para melhorar o conforto térmico dos animais.

A estrutura conta ainda com fumigador e depósito de ração, banheiros, laboratório, arco de desinfecção de veículos, rampa de desembarque, sala de necrópsias, autoclave e manequins para treinamento de reprodutores.

Investimentos

A estação foi criada em 1971 por meio do Decreto Federal nº 69.522.  Naquele ano, começou a construção das instalações, inauguradas em 1975, como um Lazareto

Quarentenário de Exportação de Animais, a cargo do Ministério da Agricultura. Nos anos de 1990, foram feitos alguns investimentos. Na última década, houve um período de inatividade.

Em 2006, começou o trabalho de recuperação das instalações da EQC, reinaugurada em 2009. Em 2014, o Mapa investiu R$ 1 milhão em novas instalações. O primeiro lote recebido nas novas instalações tinha 26 suínos da Raça Landrace e chegou a Cananéia em julho do ano passado.

Deixe seu comentário

Leia mais