DATA: 09/10/2015

Brasil deve ampliar exportação de tripas para a Rússia

Protocolo habilita ao menos 74 plantas brasileiras para vender o produto aos russos

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e o Serviço Federal de Vigilância Veterinária e Fitossanitária da Rússia (Rosselkhoznadzor) assinaram nesta sexta-feira (09/10) protocolo que viabilizará a habilitação de ao menos 74 plantas brasileiras exportadoras de tripas.

Desde o ano passado, essas empresas estão impedidas de vender seus subprodutos de carne à Rússia devido a novos requisitos técnicos estabelecidos pelo país europeu. Com o documento assinado pelo secretário de Defesa Agropecuária do Mapa, Décio Coutinho, o Brasil passa a aceitar as exigências russas, abrindo caminho para que as 74 plantas brasileiras retomem suas vendas.

A assinatura do protocolo ocorreu em Moscou, durante a 5ª Reunião de Ministros da Agricultura e do Desenvolvimento Agrário do Brics – bloco formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul. “Com essa assinatura, queremos restabelecer as 74 plantas como exportadoras e ampliar esse número, oferecendo mais uma oportunidade de negócio aos nossos produtores”, destacou Décio Coutinho, acrescentando que o protocolo assinado entre Brasil e Rússia deverá ser ampliado ao Mercosul e à União Euroasiática.

Trigo

A ministra Kátia Abreu e o ministro da Agricultura da Rússia, Alexander Tkachev, assinaram uma Instrução Normativa que facilita a importação de trigo russo pelo Brasil, que compra anualmente cerca de 6 milhões de toneladas do produto.

O trigo da Rússia, apesar de estar autorizado a entrar no Brasil, enfrentava dificuldades de acesso ao processamento nos portos, o que inviabilizava a venda. “Retirando esse requisito específico previsto nas nossas normas, facilitamos o processo e agora realmente poderá haver comércio de trigo da Rússia para o Brasil”, explicou o secretário Coutinho.

Pescados

Em relação à importação de pescados russos, a secretária de Relações Internacionais do Agronegócio do Mapa, Tatiana Palermo, afirmou que um relatório preliminar deverá ser apresentado pelo Brasil ainda em novembro, possibilitando, pela primeira vez, a importação do produto.

“Assim que o mercado for aberto, os russos também usarão o protocolo de prelisting, a exemplo do que fazemos com nossa carne exportada”, ressaltou Tatiana Palermo.

Agilidade

 A secretária disse que o Brasil está vivendo “um momento especial” em sua relação comercial com a Rússia. “Os próprios russos reconhecem que há uma agilidade inédita na interlocução entre os dois ministérios”, comemorou a secretária. “Basicamente limpamos nossa pauta com o país.”

 


Comente essa notícia.

Faça seu cadastro ou login gratuito para enviar comentários.