Colheitadeira.

Ásia puxa exportações brasileiras de farelo de soja

Embarques da soja em grão registram novo recorde com mais de 49,5 milhões de toneladas exportadas de janeiro a setembro

As exportações brasileiras do complexo soja totalizaram US$ 24,49 bilhões no período entre janeiro e setembro deste ano, de acordo com dados divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior (Secex) do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), compilados pela Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove).

Do total, US$ 19,16 bilhões (78,2%) referem-se às exportações de soja em grão, US$ 4,47 bilhões (18,3%) representaram as vendas externas de farelo e US$ 856,91 milhões (3,5%) as de óleo de soja. As exportações dos três produtos respondem por cerca de 17% do total das exportações brasileiras neste ano.

Em volume, as saídas de soja em grão significam um novo recorde e também revelam que o Brasil ainda é extremamente dependente de embarques com baixíssimo valor agregado, pois quase 80% das exportações do complexo são de grãos. Nos nove primeiros meses do ano, foram exportadas mais de 49,5 milhões de toneladas da oleaginosa, volume 11% superior às exportações realizadas no mesmo período de 2014 e 8% acima da quantidade exportada nos 12 meses daquele ano.

As vendas globais de farelo também foram recorde: 11,26 milhões de toneladas no período apurado, um acréscimo de 5% em comparação com os dados de 2014. As exportações de óleo de soja somaram 1,21 milhão de toneladas, volume 20% superior ao exportado em igual período do ano passado.

China, principal mercado de soja em grão – A China se mantém como principal mercado para a soja brasileira. Das 49,5 milhões de toneladas de soja em grão embarcadas, 37,77 milhões de t, ou 76% do total, tiveram como  destino os portos chineses, enquanto 10% do produto seguiram para a União Europeia (UE) e 8% para outros países da Ásia.

União Europeia, principal comprador (56%) de farelo – A UE foi o destino de 6,31 milhões de toneladas do farelo de soja exportado pelo Brasil, o equivalente a 56% das exportações do produto.

Ásia, segundo mercado (34%) para farelo – Puxadas pela forte demanda de países como Indonésia, Tailândia e Vietnã, as exportações de farelo para os países do Sudeste Asiático, Coreia do Sul e Japão já representam 34% do volume total exportado. Trata-se de um mercado ascendente, mostra a tendência: enquanto as vendas para a UE decrescem um pouco, as destinadas à Ásia sobem consistentemente.

Ásia, maior importador de óleo de soja – De um total de 1,21 milhão de toneladas de óleo de soja exportado, 76% se destinaram ao continente asiático. Desse total, a Índia representa 42% e a China, 17%. O volume residual está distribuído entre os países da África, América e do Oriente Médio.

Portos – Pelo porto de Santos foram embarcadas 12,65 milhões de toneladas de soja em grão, ou 26% do volume total exportado de janeiro a setembro. Por Rio Grande foram exportadas 9,66 milhões de toneladas (19%) da oleaginosa, um crescimento de 74% em comparação com o mesmo período do ano passado. Pelo porto de Paranaguá saíram 7,33 milhões de toneladas de soja, 15% do total exportado e, por São Luís, 4,74 milhões de toneladas (10% das exportações do grão). Barcarena, em seu segundo ano de operação, já embarcou 1,95 milhão de toneladas de soja, o equivalente a 4% dos embarques do produto.

As exportações de farelo de soja se concentraram, principalmente, nos portos de Paranaguá, Santos e Rio Grande, perfazendo os seguintes volumes, respectivamente: 4,36 milhões de toneladas (39%), 3,11 milhões de toneladas (28%) e 2,08 milhões de toneladas (18%).

Paranaguá exportou 859,26 mil toneladas de óleo de soja, o equivalente a 71% do total embarcado desde janeiro. De Rio Grande saíram 213,94 mil toneladas (18% das exportações do produto). Pelo porto de Manaus foram exportadas 94 mil toneladas, ou 8% do volume embarcado no ano.

Fonte: Abiove

Deixe seu comentário

Leia mais