DATA: 16/02/2016

Acesso ao crédito é uma das dificuldades do setor de pesca e aquicultura

Licenciamento ambiental e problemas sanitários durante a comercialização do pescado também entram na lista

A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) se reuniu, na última sexta-feira (12/02), com o novo secretário de Pesca e Aquicultura do Ministério da Agricultura (Mapa), Marlon Carvalho Cambraia, para debater as propostas e reivindicações do setor para 2016. Dentre as principais demandas das cadeias produtivas apresentadas, está a dificuldade na obtenção do licenciamento ambiental, com consequente bloqueio às políticas de crédito, e problemas sanitários durante a comercialização do pescado. É a primeira vez que a Comissão Nacional de Aquicultura da CNA participa de uma reunião com o novo secretário, que tomou posse no dia 26 de janeiro deste ano.

 

Durante o encontro, o presidente da Comissão Nacional de Aquicultura da CNA, Eduardo Ono e a assessora técnica de Aquicultura e Pesca, também da CNA, Lilian Figueiredo, destacaram a importância de simplificar o licenciamento ambiental, atualmente o principal entrave do setor, e fomentar a instalação simplificada de novas indústrias de processamento.

 

Além disso, informaram ao novo secretário, o perfil da balança comercial brasileira de pescado, com déficit de aproximadamente 900 milhões de reais. “Os altos valores dos custos de produção, principalmente da ração, prejudicam a competitividade do produto frente aos importados, principalmente os da Ásia, que é um grande produtor e consumidor de pescado”, afirma Eduardo Ono.

 

Para acompanhar mais de perto cada cadeia, o Ministério da Agricultura autorizou a criação de três câmaras setoriais, uma para a carcinicultura (camarão), uma para a pesca e outra para a aquicultura, além de prever novos encontros a partir de 2016.

 

“A criação dessas câmaras é fundamental para que o setor privado tenha um espaço dentro do Mapa, para o qual possa levar demandas que afetam diretamente cada cadeia. Agora, os setores da aquicultura e da pesca ganharão força dentro do Ministério, o que pode gerar bons frutos nos debates com o setor público”, diz Lilian Figueiredo.

 


Comente essa notícia.

Faça seu cadastro ou login gratuito para enviar comentários.

Leia mais