Pegue leve, compactação do solo
DATA: 09/02/2017

6 dicas para acabar com a compactação do solo

A compactação do solo pode causar perdas de até 55%, conheça práticas para recuperar o rendimento perdido Jessie Scott

A frase “Nosso Solo, Nossa Força” está gravada na entrada da fazenda Hammer and Kavazanjian Farms, propriedade rural do agricultor americano Charlie Hammer localizada em Beaver Dam, no estado de Wisconsin, nos Estados Unidos. “Estamos vendo maiores rendimentos pela qualidade do solo”, diz ele. A gestão cuidadosa inclui tráfego controlado e preparo do solo em faixas em sua rotação de milho e soja. Hammer também cultiva trigo em uma área da fazenda e está experimentando o plantio de culturas de cobertura.

 

A fazenda de Hammer é bem-sucedida porque ele elimina técnicas que danificam a estrutura do solo. Isso é essencial para cultivar boas lavouras. A estrutura do solo determina a capacidade de reter água, nutrientes e ar, e a sua capacidade de infiltração, necessárias para a atividade das raízes. “A estrutura do solo também é a principal defesa contra a compactação”, afirma Jodi DeJong-Hughes, educadora do programa de extensão da Universidade de Minnesota.

 

Compactação do solo e produtividade

É difícil estimar as perdas causadas pela compactação porque os rendimentos variam bastante de acordo com os tipos de solo, rotações de culturas e as condições climáticas. Randall Reeder, engenheiro agrônomo aposentado do programa de extensão da Ohio State University, fez pesquisas sobre compactação de solo por mais de 30 anos. De forma conservadora, Reeder estima que a maioria dos fazendeiros pode esperar perdas de 5% a 10% por causa da compactação.

 

Entretanto, pesquisas demonstram que a perda de rendimento pode ser de até 55%. “Os produtores dizem que não podem abrir mão de seu grande trator ou colheitadeira de grãos, então simplesmente aceitam a perda de rendimento”, diz Reeder. “Só que você não precisa aceitar. Se tem a opção de recorrer ao tráfego controlado, o sistema compensará com uma melhoria de 5% no rendimento ao eliminar a compactação.” Veja a seguir seis maneiras em que é possível construir solos saudáveis mantendo a estrutura do solo e reduzindo a compactação.

 

1 – Reduzir a lavragem

“Quanto mais você lavra, mais rompe a estrutura do solo”, explica DeJong-Hughes. A lavragem rompe a estrutura do solo porque ela oxida a matéria orgânica. Isso destrói as raízes e a matéria orgânica ativa que dão porosidade ao solo, fazendo sua estrutura ruir e compactar. Em solos saudáveis, 50% a 60% deles é porosa, enquanto a porosidade de um solo compactado pode ser reduzida para 30% a 40%.

 

A solução para reduzir a lavragem pode ser deixar o escarificador menos agressivo. “Você pode trocar de defletores e ainda obter lavragem, mas deixar mais resíduo e não destruir a estrutura tanto quanto implementos mais agressivos. Alguns implementos são mais prejudiciais, como os discos.”

 

2 – Controle o tráfego

No Estados Unidos, em um ano normal, um fazendeiro pode dirigir sobre até 90% da área da propriedade rural, segundo um estudo da Universidade do Nebraska. Além disso, quase 80% da compactação do solo ocorre na primeira passagem pela lavoura. Essas estatísticas deveriam fazer o produtor considerar o tráfego controlado.

 

Ao controlar o tráfego, a área percorrida terá compactação levemente mais profunda, mas o solo entre as marcas não será compactado. Isso exige gerenciamento extra e máquinas que podem usar pneus estreitos ou esteiras. Além disso, é preciso planejar a compra das máquinas. A plataforma de milho define a largura de trabalho para o tráfego controlado. “À medida que você trocar os equipamentos nos próximos cinco anos, comece a garantir que tudo se encaixe”, aconselha Reeder.

 

Se você tem uma plataforma de 12 fileiras, sua largura de trabalho será de 30 pés (ou um múltiplo de 30). Por exemplo, uma plantadora de 12 ou 24 fileiras e um aspersor de 60 ou 90 pés funcionariam para este sistema. A direção automática também é um item essencial.

 

Há ainda dois desafios para o tráfego controlado: a plataforma para a colheitadeira e a carreta de grãos. Você provavelmente tem uma plataforma de grãos mais larga do que a de milho. “Do ponto de vista de manuseio, isso faz sentido, pois soja e trigo rendem muito menos por hectare do que o milho”, explica Reeder. “Para ficar no tráfego controlado, a plataforma de grãos deve casar com a de milho, então você terá de abrir mão de um pouco de eficiência no campo.”

 

3 – Reduza cargas de eixos e pressão dos pneus

Se DeJong-Hughes pudesse fazer tudo à sua maneira, haveria uma placa na entrada de cada propriedade rural declarando: “Limite de Peso: 10 toneladas por eixo. Pressão Máxima de Enchimento: 10 psi”. Nos Estados Unidos, psi é a unidade de medida para a pressão dos pneus, que significa libras por polegada quadrada.

 

Embora perceba que isso possa ser irrealista, DeJong-Hughes deseja que os produtores almejem esses números, em vez de se preocuparem com peso geral, número de pneus ou esteiras. “Quanto mais alto o psi, mais profunda a compactação. Pense no psi como a intensidade da compactação”, explica DeJong- Hughes. “A carga do eixo determina a profundidade da compactação. A intensidade pode aumentar a profundidade por causa do psi.”

 

A profundidade da compactação aumenta à medida que o peso sobre o eixo aumenta. O maior culpado não é surpreendente – é a carreta de grãos. Uma carreta típica de 1.200 sacas suporta 35 a 40 toneladas em um eixo. A solução mais simples é optar por uma carreta com dois ou três eixos. Então, veja por onde você dirige. Não vá diagonalmente pelo campo. Se for possível, siga a passagem anterior da colheitadeira. Em seguida, observe as pressões de enchimento de seu equipamento.

 

Um estudo da Ohio State University comparou um trator com tração nas quatro rodas e pneus duplos adequadamente inflados a 6 psi, superinflados a 24 psi, esteiras de 24 polegadas e de 36 polegadas. Os pneus enchidos adequadamente causaram menos compactação. Levemente piores foram as esteiras de 36 polegadas e, depois, as de esteiras de 24 polegadas. Os pneus superinflados foram os que mais diminuíram a porosidade.

 

A indústria de pneus continua trazendo inovações que permitem reduzir as pressões de enchimento. Pneus com melhor flexão (IF) e flexão muito alta (VF) agora são oferecidos pela maioria dos fabricantes. Eles podem suportar cargas 20% a 40% maiores, respectivamente, com a mesma pressão de enchimento de um pneu radial padrão ou podem suportar a mesma carga com 20% a 40% menos pressão de enchimento.

 

4 – Evite o tráfego em campos úmidos

Se possível, fique longe do solo úmido. Uma pesquisa da Universidade de Minnesota conduzida em Lamberton, no estado de Minnesota, testou cargas de eixo de 10 e 20 toneladas em solo seco e úmido. Quando o solo estava seco, a maior parte da compactação ficou dentro dos 30 cm superiores do solo. Com condições úmidas, a carga de 20 toneladas do eixo compactou o solo de 45 cm a 61 cm de profundidade.

 

5 – Rotação de culturas

Diferentes sistemas radiculares têm capacidades distintas de romper a compactação do subsolo. Quando você trabalha apenas com uma ou duas culturas, limita o número desses sistemas crescendo no solo. Coisas como trevos, com sistemas radiculares fibrosos, também podem ajudar a aliviar a compactação e construir estrutura no solo. Nos Estados Unidos, os especialistas recomendam a alfafa. “Se você tem um mercado para isso, alfafa é a melhor coisa que pode cultivar”, diz DeJong-Hughes. “O legume melhora as populações microbianas no solo. Faz buracos na terra onde novas raízes podem penetrar e os micro-organismos podem viver. Como a alfafa cresce por vários anos, faz tremendamente bem.”

 

6 – Considerar a subsolagem

Na região Centro-Oeste dos Estados Unidos, pesquisas sobre subsolagem (lavragem mais profunda do que 25 cm) mostraram poucas respostas positivas de rendimento. Pesquisas feitas na Ohio State University por Reeder demonstraram uma reação positiva para subsolagem em comparação com solo compactado com escarificador, mas não comparada com o plantio direto contínuo.

 

Entretanto, o produtor não deve descartar a subsolagem. “Se vai mudar de gestão e tentar o tráfego controlado ou realmente observar pressões de pneus e cargas de eixo, então se livre da compactação que você tem e comece do zero”, recomenda DeJong-Hughes.

 

Antes de fazer qualquer subsolagem, verifique se tem mesmo um problema de compactação. Os sintomas visuais da lavoura são consistentes com o tráfego de rodas no passado? Há água empoçada depois da chuva que também mostra um padrão consistente com o tráfego de rodas? Além disso, garanta que o solo esteja seco ao fazer a subsolagem e que os defletores que usa rompam até a profundidade da camada de compactação.

 

* Essa é uma versão resumida da matéria publicada na revista Farming Brasil.

 

Revista Successful Farming Brasil

Farming Brasil

Confira a reportagem completa na revista Farming Brasil!

A primeira edição da revista Farming Brasil foi lançada com mais de cem páginas de reportagens que contam histórias inspiradoras e tecnologias para lavouras e pastos. Confira gratuitamente a versão digital da revista (clique aqui para acessar).

As reportagens contam como melhorar a gestão de insumos, apresentam técnicas de manejo, novidades no mercado de maquinário agrícola e dicas preciosas para ajudar o agricultor e o pecuarista a lucrar mais na fazenda.

 

 

 

Leia mais:

Successful Farming Brasil chega às bancas

A fórmula de sucesso para a alta produtividade do leite

Integração Lavoura-Pecuária é o caminho para lucrar mais na fazenda

Menos desperdício e mais dinheiro no bolso

Quem matou o polinizador?

Os campeões da soja brasileira

Agentes biológicos podem revolucionar o controle de pragas na soja

Mosca branca: praga ganha resistência e pode prejudicar ainda mais a soja

O sonho da pulverização de precisão se tornou realidade

Vai faltar água nas lavouras brasileiras?

Sua fazenda não será mais a mesma

O diálogo sobre o modelo de integração de aves e suínos deve avançar

O campo brasileiro se despede da burocracia

Agora é que são elas

O que o agronegócio americano espera com Trump?

A vez da cana transgênica

Funcionários que voam

Diagnóstico: diesel fraco

Motor a gasolina fraco? Saiba as causas do problema

Sinal verde para a produção de etanol de milho no Brasil

Piscicultura: produção de peixes pode avançar no Centro-Oeste


Comente essa notícia.

Faça seu cadastro ou login gratuito para enviar comentários.

Leia mais