Vacinação

12 dicas fundamentais para não errar na vacinação do rebanho bovino

Aplicação inadequada de medicamentos pode gerar abscessos, febre, redução de apetite e perda de peso do animal

A vacinação do rebanho de bovinos, seja de gado de corte ou gado leiteiro, é fundamental para prevenir doenças e obter carne de qualidade. “A prevenção de doenças via vacinação se faz necessária, tanto para a qualidade do produto quanto para a saúde do rebanho”, diz Tayrone Prado, técnico de campo do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar).

 

Há três tipos de aplicação de medicamentos: intravenosa, intramuscular e a subcutânea. Para a forma de vacinação subcutânea, que é a mais conhecida e popular nas fazendas, a recomendação é para que sejam usadas agulhas menores. O calibre pode variar de acordo com a consistência do medicamento. A má aplicação pode causar redução de apetite, febre e abscessos. Segundo informações do Senar, cada abscesso no animal causa uma perda de até dois quilos de carne.

 

Dicas de vacinação

1 – A aplicação começa na compra de vacina em revenda autorizada e verificando a validade do produto.

 

2 – O armazenamento da vacina deve seguir as orientações prescritas na bula.

 

3 – A condução dos animais para o curral deve ocorrer de maneira tranquila, evitando o estresse.

 

4 – Os processos de higiene durante o processo e o uso da agulha de tamanho correto evita a formação de abscessos, assim como reações e contaminações. “A ocorrência de abscessos vacinais por reações ou falhas na higienização trazem grandes prejuízos ao produtor rural”, diz Prado.

 

5 – Se as agulhas ficarem deformadas ou perderem o corte, a indicação é para que elas sejam trocadas imediatamente.

 

6 – Para iniciar a vacinação, contenha o animal, encha a seringa e regule a dose.

 

7 – Localize a região conhecida como tábua do pescoço, onde a pele é solta e de fácil acesso. Puxe a pele para realizar o procedimento.

 

8 – O posicionamento da seringa deve ser de cima para baixo, levemente direcionado para a cabeça do animal.

 

9 – Não se deve passar as mãos no local vacinado após a aplicação. O animal deve ser liberado e a sua identificação anotada.

 

10 – Entre um animal e outro, deixe a vacina em refrigeração para não perder a eficácia.

 

11 – Substitua a agulha a cada 10 animais vacinados e deixe o objeto em água fervente por 10 minutos antes de utilizá-la novamente.

 

12 – Ao fim do procedimento, é importante o descarte de todos os materiais utilizados, inclusive dos restos da vacina.

 

Veja as imagens de vacinação subcutânea, com as instruções do técnico do Senar, confira o vídeo clicando no link.

 

Deixe seu comentário

Leia mais